EnglishPortuguese

O que a amostragem de referência tem a ver com a Jornada do Lubrificante?

por | jun 10, 2022 | Sem categoria

Nas estatísticas, a amostragem de referência é uma forma de criar padrões de partida de medição da evolução da contaminação de seu lubrificante desde o recebimento do mesmo em sua planta. A contaminação por lubrificantes (água, partículas, contaminação cruzada) pode ocorrer em qualquer procedimento e manuseio ao longo de seu ciclo de vida. Após a entrega do lubrificante à sua unidade, a amostragem de referência e a análise do óleo permitem identificar fraquezas em seu programa de lubrificação com base na comparação dos resultados da análise do óleo a partir da fase anterior da Jornada do Lubrificante. Ela também fornece uma “cadeia de custódia” relacionada com a qualidade de seus lubrificantes em cada etapa.

Estágio de Recebimento na Planta

A amostragem e análise de óleo no “Recebimento” fornece indicação da condição e cuidados que seu fornecedor tomou para garantir que o lubrificante atenda às especificações e esteja livre de contaminantes. A análise do óleo nesta fase é essencial do ponto de vista forense. Sem uma amostra de referência, diagnosticar problemas mais tarde na Jornada do Lubrificante torna-se mais difícil porque haverá mais variáveis para eliminar.

 

Estágio de Recebimento na Sala de Lubrificação

A amostragem e análise de óleo no “Recebimento na Sala de Lubrificação” fornece indicação da condição e cuidados que seu almoxarifado tomou para garantir que o lubrificante atenda às especificações e esteja livre de contaminantes. Além de lhe fornecer informações sobre as boas práticas de armazenamento dos fluidos no almoxarifado de químicos.

 

Estágio de armazenamento

 

Independentemente dos recipientes de armazenamento que você use, amostras periódicas de óleo são necessárias para garantir a manutenção da integridade do lubrificante. A amostragem nesta fase identifica como suas práticas de manuseio de lubrificantes na sala de lubrificação estão afetando a condição do mamos.  A análise do óleo fornecerá as informações que você precisa para tomar decisões como filtrar seu óleo ou melhorar seus métodos de armazenamento. Os lubrificantes podem permanecer nesta etapa por longos períodos de tempo. A realização da amostragem dimensional em uma base de cronograma de tempo mantém a cadeia de qualidade do óleo e a cadeia de custódia até que a transferência ou o fracionamento ocorra.

 

Estágio de Abastecimento

É o estágio em que os lubrificantes são levados de recipientes de armazenamento primários para recipientes secundários, codificados por cores. Os recipientes primários devem incorporar filtração ao dispensar em recipientes secundários. Pegue sua amostra do recipiente secundário enquanto o óleo está sendo abastecido no ativo na área. Isso fornece a melhor linha de base para os resultados dos testes de equipamento. Qualquer alteração de óleo do armazenamento para o abastecimento é frequentemente afetada por práticas impróprias de manuseio e transporte de lubrificantes da sala de lubrificação até a os ativos na área. O uso de funis descartáveis no ponto de uso eliminará contaminantes adicionais no abastecimento ou abastecimento selado via engates rápidos auxiliará no controle de contaminação.

 

Estágio de análise do lubrificante no ativo 

A amostragem e análise de óleo na fase de uso no campo oferece os primeiros avisos de desgaste e ajuda a detectar contaminação prejudicial. Para obter melhores resultados de amostragem e reduzir o tempo de coleta, configure seu equipamento para coletar amostras de óleo representativas com tubos pitot e portas de amostragem adequados com  minemess por exemplo. Procure sempre coletar amostra de óleo a quente, com o ativo em funcionamento ou recém desligado para manutenções.

 

Estágio do ciclo de vida

O controle do ciclo de vida do lubrificante é “trabalhoso” desde o momento em que ele entra em seu equipamento até o fim de sua vida útil em que é eliminado. Programas eficazes de manutenção incorporam análises de óleo em andamento, análise rotineira do óleo e tendência de dados para melhorias contínuas devem ser analisadas.

Revise continuamente as condições de equipamentos com base em tendências e resultados em:
  • Ferrografia de Leitura Direta
  • Densidade ferrosa
  • Ferrografia analítica
  • Contagem de partículas
  • Análise de elementos
Revise continuamente as condições do LUBRIFICANTE com base em tendências e resultados em:
  • Índice de Viscosidade ou Viscosidade
  • Karl Fischer
  • Análise de Elementos
  • Contagem de partículas
  • AN/BN
  • Colorímetro (não rotineira)
  • RPVOT (não rotineira)
  • Espectroscopia Infravermelha por Transformada de Fourrier – FTIR (não rotineira)

Criando uma Cadeia de Referência

Manter uma abordagem de cadeia de custódia da condição e qualidade do seu lubrificante em cada etapa da Jornada do Lubrificante pode transformar a abordagem do seu programa de lubrificação. A Amostragem de Referência iniciará seu programa para passar da Manutenção Reativa para a Manutenção Preventiva e Preditiva.

Trico Corporation / Adaptação – Leonardo Cardoso