EnglishPortuguese

Lubrificação de confiabilidade e a contaminação do óleo

por | mar 9, 2020 | Notícias

Atualmente o problema Número 1 com a lubrificação é a contaminação; isso pode ser contaminação por partículas ou contaminação química ou ambos. Uma estratégia de confiabilidade da lubrificação usa consistentemente três palavras: Limpo, Seco e Frio, e quando combinadas, são geralmente usadas como Controle de Limpeza e Controle de Contaminação. É importante esclarecer a diferença entre as duas atividades distintas. Ambos precisam ser considerados na busca para alcançar um padrão de melhores práticas.

O controle de limpeza é o processo e as ferramentas para garantir que apenas lubrificantes limpos sejam adicionados ao equipamento, enquanto o Controle de Contaminação é o processo e as ferramentas para garantir que apenas os lubrificantes limpos estejam operando no equipamento.

 Por que a diferença?

Se, no gerenciamento de lubrificação, gastamos muito tempo, esforço e dinheiro para garantir que os lubrificantes que operam em nossos equipamentos sejam mantidos muito limpos, então por que adicionarmos óleo sujo a um sistema já limpo, pois isso torna nosso trabalho ainda mais difícil, se não o mencionar mais caro.

Partícula de Contaminação

Os efeitos da contaminação de partículas na vida útil dos rolamentos são suportados por um projeto de pesquisa que analisou a relação entre as classificações de filtro e os milhões de ciclos de rolamento com a falha por fadiga. Esta pesquisa e outras realizadas sobre o efeito da contaminação concluem o mesmo fato básico: quanto mais limpo o lubrificante, maior a vida útil da máquina.

A Organização Internacional de Padronização criou o código de limpeza ISO 4406 para quantificar os níveis de contaminação por partículas por mililitro de fluido em três tamanhos: 4 mícra, 6 mícra e 14 mícra, e esse código é usado pela maioria das empresas para definir suas metas de lubrificação limpeza. Este código ISO é expresso em 3 números, por exemplo 22/18/13, cada número representando um código de nível de contaminante para o tamanho de partícula correlacionado.

As empresas que estão gerenciando sua contaminação, têm metas ISO 4406 para diferentes aplicações e estabelecem metas de acordo com a criticidade da máquina em seus processos.

Abaixo estão alguns exemplos de níveis-alvo recomendados:

  • Hidráulica 15/13/10
  • Turbinas 16/14/11
  • Motores 17/15/12
  • Caixas de engrenagens 18/16/13

Outras empresas podem ter níveis-alvo gerais definidos para toda a planta. De qualquer forma, a chave é ter um nível de objetivo e, em seguida, empregar as ações para garantir que o nível de objetivo seja alcançado e mantido.

Empresas que implementaram Melhores Práticas no gerenciamento de suas atividades de lubrificação, entendem que o óleo pode ser contaminado no processo de recebimento, estoque, manuseio e quando está em funcionamento na máquina.

Abaixo estão alguns exemplos de como o lubrificante pode ser contaminado ao longo do caminho:

  • O óleo chega ao local. (possível ISO 18/16/13)
  • Se um tambor for deixado aberto.
  • Bastão sujo para verificar o nível do tambor.
  • Óleo dispensado em recipientes sujos.
  • Mangueiras e funis sujos usados.
  • Máquina funcionando sem respiradores de ar.
  • Detritos de desgaste estão sendo gerados na máquina e o óleo não é filtrado. (possível ISO 24/22/11)

A tabela abaixo é um exemplo da redução do número de partículas em um sistema quando a redução vai de 22/24/19 para 14/16/11. O número de partículas no óleo é 250 vezes menor quando o nível de melhores práticas é alcançado.

Além disso, considerando que a espessura média do filme de lubrificação é inferior a 4 mícra, é fácil avaliar como o desgaste do componente no sistema pode ocorrer. O ponto principal é que precisamos garantir que apenas óleo limpo seja adicionado à máquina e esteja operando nela.

A Eximport® dispõe de uma linha completa de equipamentos de Ferrografia Analítica conforme abaixo:


Por: Leonardo Cardoso