Intranet Facebook LinkedIn (11) 5525-9777
15/01/2020
  • Share Buttons

  • Share Buttons

  • Aprenda mais com a análise de óleo, partindo do ponto de referência correto

    Veja por que e quando você deve obter amostras de referência de lubrificantes antes de serem colocados em serviço

    A prevenção, como se costuma dizer, é melhor que remediar. Essa é a razão número um para coletar as chamadas amostras de referência de óleo antes de colocá-lo em seu sistema. Essas amostras são essenciais para:
    – Resolver os problemas antes de causar um problema no seu processo.
    – Entender as condições iniciais e as concentrações de água e partículas, para que as alterações nas amostras de óleo usado do equipamento sejam mais facilmente aparentes.

    Em vez de coletar essas amostras, por que você não pode confiar apenas nos dados do seu fornecedor de lubrificantes?
    Como os fornecedores, em regra, não fornecem todos os dados disponíveis sobre cada um de seus óleos. Por exemplo, existem aditivos e concentrações de formulações que, de outra forma, não são publicados para comparação, portanto, você deve testá-los em seu laboratório. Além disso, as formulações podem mudar de tempos em tempos sem aviso prévio aos clientes.
    Talvez o mais importante, conforme discutimos em um post anterior, práticas inadequadas de armazenamento e manuseio no seu fornecedor de lubrificantes  possam afetar drasticamente a qualidade do óleo.
    Se você mudar de fornecedor, coletar uma amostra de referência na chegada deve ser seu primeiro passo.
    Supondo que você concorda que esse benchmarking é valioso, permanece a questão de quando você deve coletar suas amostras de referência. Você pode escolher uma amostra de qualquer um dos três estágios distintos da Jornada de Lubrificação. Cada estágio, no entanto, possui vantagens e desvantagens.
    Então, vamos explorar suas opções e ajudá-lo a determinar a abordagem mais eficaz.

    Amostras de referência no recebimento
    As amostras de óleo colhidas no recebimento fornecem a melhor representação do que você acabou de receber do seu fornecedor e quais foram as práticas dele para preservar a qualidade do produto.
    Infelizmente, descobrimos que 61% dos profissionais de lubrificação não provam ou testam óleo novo no recebimento. Você deveria! No mínimo, os resultados da análise podem apoiá-lo em uma discussão com seu fornecedor sobre as práticas e expectativas dele. Não espere muito pela substituição da carga de lubrificante se você estiver insatisfeito; muitos fornecedores balizam seus produtos a valores exuberantes de contaminação que atendam a padrões mínimos, ou padrão algum de qualidade, como a contagem de partículas ISO 4406.
    Então, qual é a desvantagem de coletar amostras de referência no recebimento?
    Se você comprou um suprimento de três meses, isso deixa 90 dias para alterações de condição antes que o último óleo seja colocado em serviço. As mudanças podem incluir reações químicas sem nenhuma interação humana, como a hidrólise. Não avaliar a qualidade inicial deixa você adivinhar mais tarde quando esses problemas realmente ocorreram.

    Amostras de referência de armazenamento
    A amostragem no armazenamento pode ajudar a identificar como suas práticas estão afetando seu lubrificante.
    Também pode fornecer melhores informações da condição do óleo que entra no seu sistema. Mas a precisão dessa informação pode variar de acordo com suas práticas, como amostragem de tambores abertos ou uso de um mesmo equipamento de bombeamento ou transbordo para diferentes lubrificantes, o que expõe o lubrificantes a riscos altíssimos de contaminação. Talvez você duvide que esses problemas possam surgir em sua gestão de lubrificação, mas nossa experiência nos mostrou que, mesmo nas operações mais bem executadas, erros e comportamentos descuidados acontecem.
    Ainda assim, a questão é: quando você deve coletar amostras durante o armazenamento? Se você estiver colhendo uma amostra sempre que um novo tambor for aberto, é difícil isolar os impactos do que sua equipe de manutenção está fazendo ou o impacto de fatores ambientais. Talvez você não consiga capturar perfeitamente todas as variáveis ​​de armazenamento, mas se você for consistente em como e quando colhe amostras nesse estágio, ajudará a revelar a verdade ao longo do tempo.

    Amostras de referência no abastecimento
    A amostragem durante a transferência de óleo pode fornecer a melhor indicação da condição do lubrificante que você está colocando em seu sistema – especialmente para comparar com amostras de óleo usadas que saem desse sistema. Mas a transferência também é o estágio mais volátil e variável da Jornada da Lubrificação.
    Não parece muito pior do que os recipientes usados ​​para a transferência de óleo que vemos na maioria das plantas. As garrafas PET de refrigerantes parecem ser especialmente populares. Eles não começam limpos e são constantemente contaminados e maltratados a partir daí, deixando muito espaço para comprometer a condição do óleo. No entanto, uma amostra nesse estágio não identifica necessariamente onde os problemas começam. O lubrificante já está a caminhando na Jornada da Lubrificação em suas instalações e poderia facilmente ter sido contaminando de várias maneiras.
    Portanto, se você quiser ter uma discussão franca com seu fornecedor de lubrificantes sobre a condição do óleo que ele está fornecendo, esta amostra coletada não é a para se referenciar. Assim que você informar de onde veio essa amostra, certamente o fornecedor irá questioná-lo, e com razão.


    Quando você deve coletar amostras de referência
    O que estamos dizendo aqui é que todos esses locais de amostra de referência são ótimos e terríveis ao mesmo tempo. Então, o que você faz? A resposta correta é coletar amostras de referência dos três estágios cada vez que você fornecer referências – aproximadamente a cada seis meses, correspondendo à entrega que ocorrer mais próximo desse intervalo. Essa frequência ajudará a normalizar os dados em cada estágio da amostra, eliminando discrepâncias não representativas. As amostras de referência nos três estágios permitem que você veja o impacto de suas práticas de armazenamento e manuseio e aprimore seu entendimento das amostras que saem do seu equipamento – o que elas revelam sobre o desempenho e a confiabilidade da configuração atual de operação e blindagem.

     Veja a seguir nossas recomendações de exemplo de referência:
    1 – Quando o óleo novo chegar, colete uma amostra imediatamente.
    2 – Vá para qualquer tambor em uso do mesmo lubrificante e colha outra amostra.
    3 – Se você tiver algum óleo em um recipiente de transferência, leve-o também. Se você não tiver nenhum óleo em um recipiente de transferência, bombeie um pouco para o que é comumente usado para transferência e despeje ou distribua em um frasco de amostra.
    A chave é ser o mais consistente possível com suas práticas normais, o que ajudará a acabar com os problemas antes que eles se enraízem em seu sistema.

    A Eximport é parceira da Trico Corporation no Brasil, e disponibiliza todos os equipamentos e conhecimentos necessários para adequar sua estrutura e procedimentos de lubrificação aos conceitos das melhores práticas mundiais.

    Por Victoria Bunchek – Trico Corporation / Adaptado por Leonardo Cardoso – Lubequip Eximport

    Voltar

    Fale Conosco

    Tire suas dúvidas ou solicite um orçamento.